21 de julho de 2014

Deutscher - Pitacos do dia seguinte

Ainda que Hockenheim não seja mais o mesma, a corrida disputada ontem na mutilada pista alemã foi boa -movimentada do inicio ao fim. A prova foi recheada de ultrapassagens e incidentes...

A começar pelo acidente envolvendo Felipe Massa e Kevin Magnussen, logo após a largada.

Massa e Bottas largaram mal e chegaram juntos no "primeiro corner". O brasileiro aliviou o pé para evitar o enrosco como o parceiro de equipe deixando espaço para Bottas fazer a curva, quando voltou para a tangência encontrou Magnussen por lá. Bateu roda com roda com o dinamarquês, levou a pior e saiu dando pirueta...

Nico Rosberg leads as Felipe Massa gets flipped upside-down behind him
A corrida mais uma vez acabou na primeira volta para o brasileiro. Mas é importante que se diga, não houve culpados, foi um acidente de corrida. É incrível a falta de sorte do brasileiro. Como diz aquele meu amigo: "azar só dá em ruim!"

Nico Rosberg confirmou o favoritismo e terminou no degrau mais alto do pódio. Foi uma vitória fácil. A quarta na temporada, sétima da carreira. Agora, a vantagem para Hamilton no campeonato subiu de 4 para 14 pontos - (190 X 176).

Valtteri Bottas pela terceira vez consecutiva terminou no pódio, novamente na segunda colocação. O piloto finlandes fez questão de agradecer publicamente a equipe pelo apoio recebido durante a prova, pelas orientações sobre onde e como poderia manter a diferença para Hamilton, e aproveitou para deixar claro que deseja mais. Bottas acredita que vencer é apenas uma questão de tempo. 

Apesar de não ter vencido a corrida Lewis Hamilton foi o destaque da prova. Largou na 20ª posição e terminou no pódio, em terceiro. Hamilton escalou o pelotão com vontade, sem perder tempo, fazendo a estratégia funcionar. A sequencia de voltas voadoras nos últimos 15 giros foram alucinantes...

Se o safety car tivesse sido acionado como se esperava, quando a Sauber ficou atravessada no meio da pista, o final da prova poderia ter sido eletrizante - Rosberg, Bottas e Hamilton travariam uma batalha interessante. No entanto, a direção de prova achou melhor não interferir e mandou que os fiscais dessem um jeito sem o carro de segurança. Os fiscais correram um risco enorme, mas felizmente tudo acabou bem.

18 de julho de 2014

FRIC

Uma palavra tem sido muito pronunciada ultimamente na F-1 - FRIC, e muitos se perguntam o que é isso. Numa tradução livre do inglês para o português significa - suspensão dianteira e traseira interligada.

Na verdade o sistema FRIC é uma emolução da suspensão ativa, pois tem a função de manter maior estabilidade do carro reduzindo o consumo de pneus. Porém, ao invés da utilização da eletrônica que está proibida desde 1993, o sistema funciona com transferência de fluídos hidráulicos.

O princípio básico é garantir uma altura constante do bólido na aceleração, freadas e nas curvas. Desse modo o assoalho permanece mais tempo rente ao chão, o fluxo de ar se mantem homogêneo e consequentemente acontece o aumento da pressão aerodinâmica. Como resultado o carro consegue contornar curvas com mais velocidade e maior equilibrio.
Editoria de Arte de ZH

Especialistas  apontam o sistema como a chave do sucesso da Mercedes no atual campeonato. Até porque a equipe alemã desenvolve o sistema a quatro anos.

No entanto, a FIA decidiu agora proibir sua utilização para o restante do Mundial. É importante lembrar que a entidade foi consultada no inicio do Mundial por equipes interessadas na utilização do sistema, e naquele momento deu sinal verde para o uso da traquitana. Agora passadas nove etapas resolveu que o dispositivo está fora do regulamento. Com a malandragem que lhe é peculiar, a FIA declarou que relevaria a questão, caso todas as equipes concordassem com a utilização do sistema. E todos sabemos que unanimidade nesta categoria é impossível. Ou seja, arrumaram um jeito de tentar segurar a Mercedes.

Ainda não é possível saber o quanto a retirada do sistema FRIC implicará nos carros prateados. Estima-se que sem o dispositivo, a perda de rendimento seria algo em torno de quatro décimos por volta. De qualquer modo, ainda não será o suficiente para segurar a Mercedes.

Charge - Novos rumos na CBF


Não se iluda, acreditar em mudanças no futebol brasileiro com os cartolas que lá estão, é impossível.

By: Guedex

17 de julho de 2014

Descaso com o telespectador

A TV Globo anunciou que transmitirá apenas a parte final da classificação (Q3) do GP da Alemanha neste sábado. E o que é pior, essa deverá ser a tendência daqui para a frente. Nesse meio tempo, a emissora oficial seguirá transmitindo a gloriosa TV Globinho, isso mesmo, desenhos ao invés da F-1.  Um verdadeiro desrespeito ao telespectador.

O treino classificatório será exibido na íntegra apenas pelo canal Sportv. Sem um brasileiro que possa alavancar a audiência na TV aberta, tudo indica que a poderosa Vênus Platinada deverá muito em breve seguir o padrão adotado mundo afora - a transmissão de corridas em canais pagos. Os amantes do esporte a motor que se virem, ou melhor que paguem para assistir ao evento.

16 de julho de 2014

Rosberg renova com a Mercedes


A equipe Mercedes anunciou nesta quarta-feira, a prorrogação do contrato de Nico Rosberg. Renovação merecida, diga-se.

O jovem alemão chegou a Mercedes em 2010. Dois anos depois foi o responsável pela primeira vitória dos alemães desde o retorno a F-1, no GP da China. Até aqui conquistou seis vitórias e oito poles pela escuderia prateada. Atualmente, lidera o Mundial.

Ainda que não seja um piloto fora de série, Nico Rosberg é muito bom piloto. É rápido, não comete erros e principalmente, sabe lidar muito bem com a pressão, coisa que seu atual companheiro de equipe não consegue.

15 de julho de 2014

Nove vezes Márquez


(Ainda em tempo?) Para deixar devidamente registrado no blog, Marc Márquez conquistou a nona vitória em nove corridas disputadas na atual temporada. O fenômeno espanhol segue destruindo recordes. O bicampeonato é apenas uma questão de tempo, pouco tempo...

Dani Pedrosa e Jorge Lorenzo completaram o pódio, em segundo e terceiro respectivamente.

Volto a dizer, as corridas de todas as categorias (Moto3 - Moto2 - MotoGP) estão sensacionais, vale muito a pena assistir. Fica a dica.

12 de julho de 2014

Cores Unidas - Três


Para começar o dia por aqui, o colorido da saudosa equipe Benetton.

Num passado não muito distante, as equipes utilizavam três carros nos finais de semana. Isso mesmo, era permitido o chamado carro reserva.

Em muitas equipes havia um revesamento para a sua utilização - a cada corrida um piloto tinha o carro a sua disposição, até porque era preciso preparar o carro de acordo com a característica de cada piloto, assento, pedaleiras... Em caso de acidente na largada, quando o procedimento era cancelado, pilotos corriam aos boxes atrás do carro reserva.

Atualmente com o objetivo de conter custos, essa prática não é mais permitida. Mas tudo poderá mudar em breve...

Faz algum tempo que o poderoso chefão Bernie Ecclestone, tornou público o desejo de rever equipes com três carros, mas dessa vez com três pilotos titulares. A ideia é interessante, um número menor de equipes (provavelmente oito) com um maior número de carros competitivos.

10 de julho de 2014

Retrô - Orange



Especialistas apontavam que Heinz-Harald Frentzen era uma bela promessa do automobilismo alemão. Diziam que era melhor que Michael Schumacher...

No fim das contas, a promessa não vingou. Frentzen entrou para a história do esporte a motor como mais um daqueles pilotos que acabaram decepcionando...

Apesar da oportunidade em guiar uma Williams, quando o time inglês mandava no pedaço, o alemão ficou devendo. A sua melhor fase foi a bordo da Jordan, onde chegou a lutar pelo Mundial...

Em dez temporadas na categoria, consegui apenas três vitórias. Foi muito pouco para quem era apontado como o mais forte adversário de Schumacher.

Já na fase decadente, Frentzen conseguiu uma vaga na claudicante equipe Arrows, apenas para fazer número. Ao menos o carro era bonito.

9 de julho de 2014

6 de julho de 2014

Hamilton vence e coloca fogo no Mundial


Os torcedores ingleses foram ao delírio com a vitória de Lewis Hamilton neste domingo, no místico circuito de Silverstone.

O jovem piloto inglês fez uma bela apresentação. Partiu da sexta posição do grid para o lugar mais alto do pódio e ainda por cima contou com uma pequena ajuda da sorte, assistindo o primeiro abandono na temporada de Nico Rosberg, rival direto na luta pelo campeonato.

Como resultado, a vantagem de 29 pontos construída por Rosberg ao longo das últimas provas que parecia sólida, foi reduzida a míseros 4 pontos. Pois é, o campeonato está mais aberto que nunca. A categoria e principalmente Hamilton, agradecem.

Valtteri Bottas e Daniel Ricciardo completaram o pódio, segundo e terceiro respectivamente. Isso mesmo, a Williams voltou ao pódio, dessa vez na segunda posição, e olha que Bottas largou na 14ª posição.

A equipe Williams encontrou o caminho das pedras ao adotar a mesma de configuração de motor utilizada pela Mercedes. As laterais do carro foram redesenhadas para abrigar um intercooler menor. Todas as mudanças introduzidas até aqui, tornaram o carro inglês a segunda força no grid, é fato.

Felipe Massa acabou envolvido no acidente provocado pelo irreconhecível Kimi Raikkonen. O finlandês escapou da pista, tentou voltar e não conseguiu controlar o carro. Acertou o guard rail de um lado atravessou a pista, bateu forte no outro lado... foi uma merda daquelas. No fim das contas, Raikkonen teve muita sorte.

O brasileiro não teve culpa alguma, pelo contrário, conseguiu evitar um acidente que poderia ter consequências graves. Mas como diz um amigo: "Azar só dá em cara ruim".

A corrida foi marcada por bons duelos. O maior deles aconteceu entre Alonso e Vettel, na luta pelo quinto lugar. Foram voltas eletrizantes, com uma disputa acalorada entre os campeões que culminou com uma sensacional ultrapassagem de Vettel sobre Alonso. A única queixa foi chororô no rádio de ambos os pilotos - um reclamando do outro...

Daqui a duas semanas a F-1 voltará a labuta, dessa vez na casa de Nico Rosberg, no mutilado circuito de Hockenheim.

No Mundial de Construtores a Mercedes lidera com 326 pontos, contra apenas 168 da Red Bull, vice lider. A Ferrari aparece na terceira posição com 106 e a Williams logo a seguir, com 103 pontos.

Muito em breve a Williams deverá deixar a Ferrari para trás, quem poderia imaginar?